Românticos Rugidos Para Uma Divinal Leoa

Românticos Rugidos Para Uma Divinal Leoa - Rugindo Para O Sonhar De Olhos Abertos Da Leoa

12:00:00 Inominável Ser 2 Comments


Liberto das amarras

da matéria que me afoga,

afagado vou sendo pelos

nevoeiros do mundo além

dos físicos sentidos


e diretamente vou indo

em uma estrada cheia

de rugidos,

estrada formidável que

galgada foi por ti,


Sonhadora Leoa,

senhora doutrinante de um

noturno poeta como eu,

poeta que ao ver-te sonhar

de olhos abertos


sente a solar energia

dos dias de verão

e até no coração e

nos lábios

um sorriso faz aparecer!


Metade de teus sonhos,

metade de teu alvorecer,

apenas a metade,

eu queria poder decifrar

e ter!


Metade destes teus sonhos

de olhos abertos,

apenas a metade,

eu queria mesmo poder

decifrar e ter!


Dentro de todas as névoas

do Reino do

Mestre Dos Sonhos,

sonho e sonho e sonho

e sonho e sonho e sonho!


No entanto,

para que O Mistério,

O Grandioso Mistério,

seja mantido,

não me atrevo a decifrar


toda a moldura

do teu Desperto

Sonhar,

poeticamente respeito

o vosso direito


de assim

Sonhar,

de assim navegar

pelos planos mais livres

da Criação!


Sonhos,

Leoa,

Os Sonhos,

Reais Visões,

Reais Mundos!


Sonhos,

Leoa,

Os Sonhos,

Reais Tecidos,

Reais Campos!


Sonhos,

Leoa,

Os Sonhos,

Reais Jornadas,

Reais Enredos!


Com o que tu Sonhas

Desperta,

Leoa,

apenas

O Mestre Dos Sonhos,


com areias nas mãos,

negras vestes

e negros olhos que são

A Grande Noite,

Sabe-O!


Eu,

leonino poeta,

apenas continuo

Sonhando e Sonhando

e Sonhando e Sonhando!


Leoa!


Leoa!


Leoa!


Leoa!


Leoa!


Leoa!


Leoa!


Leoa!


Leoa!


Inominável Ser

NO VIGÉSIMO SEXTO

RUGIDO

PARA

A DIVINAL LEOA









2 Românticos Aqui Se Revelaram:

Lou Albergaria disse...

A Leoa ruge
passa o rooge
na face carmim
encobre o deserto
do sentimento nude
a morte é o destino
o fim...

Lindos seus poemas à LEOA!

BEIJOS!!!

Leoa rugindo
as sensações
da Eterna Beleza
surgindo
a iniciar
da morte
a vida sublime
e incendiar
na sorte
a floresta
dos dias felizes

Agradeço-lhe por rugir aqui, Lou Albergaria!