Meus Treze Primeiros Romances

Meus Treze Primeiros Romances - O Romântico Iniciar

18:50:00 Inominável Ser 2 Comments


Inomináveis Saudações a todos vós, românticos seguidores, românticos leitores, românticos visitantes e nada românticos visitantes.


Para cada poeta do mundo, há um começo de sua poesia, por mais particular que a mesma seja. Com este que vos fala, não foi diferente, já que, ao meditar sobre o porquê de ter criado um blog de poemas românticos em um momento da História no qual o Romantismo encontra-se, digamos, um tanto quanto anulado devido ao desenvolvimento cada vez maior da insensibilidade cotidiana, lembrei-me de um certo diário escolar do ano de 1995... No citado diário, no espaço destinado aos recados da coordenação escolar, escrevi treze poemas de romântica natureza, nascidos após a minha primeira grande desilusão amorosa, a de um amor platônico, meu primeiro amor, no ano anterior. Nos treze poemas, está o embrião deste blog, o qual relutei muito em criar devido ao meu desencanto para com os relacionamentos amorosos; relacionamentos, a maioria das vezes, platônicos, fantasiosos ou, quando concretizados, fadados logo ao término.


Ironicamente, mesmo desiludido com os relacionamentos e não acreditando nem mais nos mesmos, no ano de 2007 fundei este blog batizando-o com o nome de Romances De Um Nada Romântico. A ironia do nome refere-se, claro, ao fato de querer romanticamente escrever estando-se totalmente fora de qualquer romance na vida que existe fora da realidade virtual. No entanto, o que começou timidamente foi ganhando força proporcionalmente aliada ao escrever de cada verso e, na maioria das vezes, ao som de Apart, do The Cure, na versão gravada pelo Volstad, contando com a participação especial de Fernando Ribeiro, vocalista do Moonspell (esta versão da música foi lançada no álbum Our Voices – Tribute To The Cure, do ano de 2004; e tocou aqui neste blog, caso meus seguidores mais antigos lembrem). O que antes até poderia parecer uma brincadeira, devido ao fato de que eu mesmo nem me acreditava nada romântico, tornou-se romanticamente realizado como possível. E tudo iniciou-se a partir daqueles poemas escritos no ano de 1995...


Hoje, quinze anos depois, a situação é bem diferente e não há mais platonismo. Estou vivenciando um verdadeiro romance, com uma mulher real, a qual não se trata de um sonho, de uma metáfora, de uma ilusão moldada pela minha mente que, antigamente, sonhava absurdamente com o que eu sabia que não podia ocorrer. Quinze anos depois daqueles treze poemas e próximo de eu completar 34 anos (aos 3 de agosto), enfrentando problemas vários, bem sérios, em minha vida particular, e insistindo em continuar todo o meu trabalho na Internet, considero-me realizado, pleno e tranquilo, apesar da grande melancolia e tristeza que estão presentes na maioria de meus poemas e textos espalhados pela rede. Quinze anos depois, quinze anos... E aqueles treze poemas, escritos quando eu tinha entre 18/19 anos, que estavam esquecidos aqui em minha morada, ressurgem e falam comigo... E querem falar convosco... Querem romanticamente falar...


Pouco me direcionei, diretamente, nestes quase três anos de existência deste blog, aos meus leitores. Hoje, vou ao encontro de cada um, seguidor, visitante, românticos e não-românticos, falando-lhes abertamente do que me motiva a romanticamente poetizar: a determinação que possuo em continuar a amar a minha escrita e a insistir, resistir e existir no meio literário virtual com integridade, sem querer ganhar fortunas ou a tolice de querer ser famoso. Não busco a mera fama, mas eternizar-me como poeta, como escritor e, isso, é totalmente um sonho dos mais românticos. Não escrevo por dinheiro, escrevo por Amor, como não me canso de dizer e escrever; se escrevesse com intenções de tornar-me senhor de uma imensa conta bancária, estaria a destruir toda uma Tradição, Tradição esta que refere-se aos poetas da Humanidade, conhecidos e anônimos, de todos os estilos, que escreviam exatamente como eu escrevo. Tu, que é poeta ou poetisa, sabe do que estou a falar, e se entrega existencialmente em cada letra de cada verso ao escrever, como eu sempre faço. Tu, que ama ler poemas, pode reconhecer, especialmente neste blog, a minha dedicação e o meu esforço em aproximar-me cada vez mais dos que, no passado e no presente romantizam, seja aqui no Plano Virtual, no Plano Físico ou no Plano Astral.


Mesmo quem não creia na Espiritualidade, deve notar que todo poeta é divinamente inspirado e que não existem maus poetas e, sim, poetas que a atual civilização incompreende. O mesmo ocorre com escritores; sou escritor e poeta e, diante de tudo que tenho na Internet escrito em meus nove blogs, diante de tudo o que eu defendo e penso, sei que muitas pessoas incompreendem-me. Mesmo assim, eu continuo... Isto é ser romântico, afirmo isto ou não? Cabe a cada um de vós decidir, acompanhado as postagens dos treze poemas que são os embriões deste romântico blog. As românticas poéticas postagens contarão com as fotografias de Medye Platinum, a mesma modelo de Românticos Rugidos Para Uma Divinal Leoa. E, falando em poetizar...



Vou Continuar Amando


Vou continuar amando,

mesmo diante da

tempestade assassina

de meus sonhos.


Vou continuar amando,

mesmo abalado

por um peso assassino

acima de meus ombros.


Vou continuar amando,

mesmo que caiam

mil bombas atômicas

em meu redor.


Vou continuar amando,

mesmo que sequem

os rios de águas

da fonte de lá.


Vou continuar amando,

mesmo que se apaguem

as colunas de fogo

dos templos de cá.


Vou continuar amando,

mesmo que um tiro

venha diretamente

a me assassinar.


Vou continuar amando,

mesmo que eu adoeça

e pare em um leito

de hospital.


Vou continuar amando,

mesmo que meus órgãos

faleçam por incapacidade

de respirar.


Vou continuar amando,

sou um poeta,

simplesmente

um poeta!


Vou continuar amando,

seja na luz,

seja na treva,

seja na relva!


Vou continuar amando,

fazendo assim,

escrevendo assim,

poetizando assim!


Vou continuar amando,

amem como eu,

derramem-se como eu,

ampliem-se como eu!


Vou continuar amando,

Verdadeiro Deus,

muito obrigado por

poeticamente amar-me!


Inominável Ser

CONTINUANDO

A AMAR




Escrito ao som de Apart, na versão do Volstad, com a participação especial de Fernando Ribeiro.


Saudações Inomináveis a todos vós, românticos seguidores, românticos leitores, românticos visitantes e nada românticos visitantes.


Sábado, 31 de julho de 2010








2 Românticos Aqui Se Revelaram:

Olenka disse...

Gostei muito do que aqui li.
Fez-me recordar o meu primeiro romance. :*

O Primeiro Romance... Uma estrela que jamais deixa de brilhar em nosso Ser... Uma estrela a girar e a nos hipnotizar em nosso Ver... Uma estrela, A Estrela, semeando em nós, infinitamente, o Verbo Ter...

Ter A Vida.

Ter A Poesia.

Ter O Amor.