Calor,

Nosso Verão É Todas As Estações, Formosa Tropical Amada!

12:00:00 Inominável Ser 6 Comments


"Levanta-te, minha amiga,

minha formosa, e vem!

Eis que o inverno já passou,

cessaram as chuvas e se foram.

No campo aparecem as flores,

chegou o tempo das canções,

a rolinha já faz ouvir

seu arrulho em nossa região.

Da figueira brotam os primeiros

figos,

exalam perfume as vinhas em flor.

Levanta-te, minha amiga,

minha formosa, e vem!

Pomba minha, nas fendas da rocha,

no esconderijo escarpado,

mostra-me teu semblante, deixa-me

ouvir tua voz!

Porque tua voz é doce, gracioso o

teu semblante!"


Ct 2, 10-14



Calor,

formosa amada,

está sentindo em nós,

mais do que sempre

sentimos,

o calor?


Calor,

formosa amada,

tua pele é a praia

na qual descanso

a cabeça pesada

após dias pesados...


Calor,

formosa amada,

tua pele é a onda

da praia habitada

apenas pelas

Maravilhas Universais...


Calor,

formosa amada,

tua pele nada em minha

pele,

somos peixes dentro d'Água Amorosa

do Grande Mar...


Calor,

tropical amada,

nus ficamos em nosso

leito,

emoldurados sendo pela luz solar

a entrar pela nossa janela...


Calor,

tropical amada,

nus ficamos em nosso

leito,

suando por causa das delícias

da combustão dos nossos lençóis...


Calor,

tropical amada,

nus ficamos em nosso

leito,

em todas as situações,

em todas as estações!


Sempre

É

Verão

Para

Nós

Dois!


Sempre

É

Grande

Verão

Para

Nós!


Sempre

Existe

O

Verão

Em

Nós!


Nunca chove,

vivemos em um país

onde não existe chuva,

apenas o sol a iluminar

nossos corpos

em plenas maresias!


Nunca neva,

vivemos em um palácio

onde o frio polar ártico

jamais chega,

protegidos pelo sol,

o nosso amigo maior!


Nunca caem as folhas,

vivemos em um mundo

onde Deus pousou as Mãos

abençoando o sol que brilha

com grande justiça

descendo sobre nós!


Sempre nascem as flores,

vivemos em um universo

onde a Primavera é A Esposa

do Verão,

alegrias sempre intensas em

intensa romântica imensidão!


Sempre brilha o sol,

vivemos em uma Criação

onde O Verão permanece

apenas para nós

como a única estação,

eternamente a única estação!


Sempre estamos felizes,

O Grande Sol Do Amor

nos ilumina a romântica estrada,

recebemos do Divino

O Romântico Caminho Em Direção

Ao Coração Do Kosmos!



"Arrebataste-me o coração, minha

irmã e minha noiva,

arrebataste-me o coração com um só

de teus olhares,

com uma só jóia de teu colar.

Como são ternos teus carinhos,

minha irmã e minha noiva!

Tuas carícias são mais deliciosas que

o vinho;

teus perfumes, mais aromáticos

que todos os bálsamos.

Teus lábios, minha noiva, destilam

néctar;

em tua língua há mel e leite.

Tuas vestes tem a fragrância

do Líbano."


Ct 4, 9-11



Inominável Ser

NO ETERNO VERÃO

COM SUA

FORMOSA TROPICAL

AMADA







6 Românticos Aqui Se Revelaram:

Deusa Poesia,

Quem Pode Dizer Que Não Há O Alto Poético Ideal Da Perfeita Musa Poética?

12:00:00 Inominável Ser 4 Comments


Não indago,

assim,

qual acadêmico,

filósofo ou cientista.


Nem indago

como um curioso,

apenas,

do porquê das coisas.


Muito menos indago,

claro,

como pseudosábio

ou pseudointelectual ralo.


Indago,

sim,

como poeta,

romântico poeta.


Indago como

romântico poeta,

um anacronismo nestes

tempos de pedra.


Indago como poeta,

romântico poeta,

um humilde bardo nesta

aromântica época.


De tanto soltar meu verbo

em Romances sinceros,

afirmo ter desperto

uma certeza milenar.


Todo poeta,

sendo também profeta,

sabe do que estou

aqui a falar.


Todo poeta,

sendo também visionário,

sabe que A Deusa Poesia

está aqui a cantar.


Todo poeta,

sendo também místico,

sabe que A Grande Musa

está aqui a poetizar.


A Grande Musa,

Esta que se encontra

ao lado do Kosmos

e da Unidade Absoluta.


A Grande Musa,

A Mãe de todas

as poéticas musas,

realizadoras Dela.


A Grande Musa,

A Senhora sendo

todas as musas

poéticas.


A Grande Musa:

as Florbelas,

as Vanessas,

as Reginas.


A Grande Musa:

as Rebecas,

as Helenas,

as Angelinas.


A Grande Musa:

as Evas,

as Lauras,

as Amandas.


A Grande Musa:

as Flávias,

as Lúcias,

as Marias.


A Grande Musa:

as Martas,

as Esters,

as Judites.


A Grande Musa:

as Alessandras,

as Valérias,

as Vanusas.


A Grande Musa:

as Beatrizes,

as Cíntias,

as Brunas.


A Grande Musa:

as Ellens,

as Giselles,

as Gabrielles.


A Grande Musa:

as Gabrielas,

as Taises,

as Lumas.


A Grande Musa:

as Moniques,

as Mônicas,

as Melissas.


A Grande Musa:

as Bárbaras,

as Talmas,

as Luandas.


A Grande Musa:

as Stephanies,

as Carolines,

as Dianas.


A Grande Musa:

as Dianes,

as Carolinas,

as Danielles.


A Grande Musa:

as Marceles,

as Glórias,

as Terezas.


A Grande Musa:

as Naomis,

as Amys,

as Marions.


A Grande Musa:

as Sandras,

as Samantas,

as Britneys.


A Grande Musa:

as Raíssas,

as Rhiannas,

as Hildas.


A Grande Musa:

as Neusas,

as Nilzas,

as Núbias.


A Grande Musa:

as Elizabetes,

as Ingrids,

as Corinas.


A Grande Musa:

toda mulher que

todo poeta

romanticamente eterniza.


Quem duvida da presença

da própria Eternidade

nas mãos e na pena

de um poeta?


Inominável Ser

ETERNO

POETA

ETERNIZANDO

AS SUAS

POÉTICAS MUSAS








4 Românticos Aqui Se Revelaram:

Altíssimos Animais,

No Ideal Da Vossa Felina Beleza

12:00:00 Inominável Ser 0 Comments


Felinos rugidos estampam

as ondas de saudações

que vou dando

aos amantes voando

dentro dos céus

de grandes anos,

céus representantes

do Alto Céu,

céus representantes

das Vestes Altissimamente

Naturais,

céus celebrantes

da Alta Festa

Do Uno Ser,

céus que me lembram

de ti,

felina

felina

felina

felina

felina

felina

felina

felina

felina,

Bela Felina Mulher!


Ó,

quão felina é

a qualidade desta paixão

arrebatando-me o

romântico coração!


Ó,

quão felina é

esta humilde paixão,

dona do alvo último do

meu romântico coração!


Ó,

quão felina é

a tua apaixonante beleza,

oriunda de Lion,

oriunda de Panther!


Ó,

quão felina,

felina felina felina,

é a exaltação minha

diante de teu coração!


Veja-me,

Bela Felina Mulher,

rugindo e caçando

mais na selva

de seu coração!


Veja-me,

Bela Felina Mulher,

devorando-te com toda

a selvagem centelha

de minha paixão!


Veja-me,

Bela Felina Mulher,

adormecendo acima de ti,

apaixonanadamente

domado por ti!


Veja-me,

Bela Felina Mulher,

sendo manso cordeiro

intensamente apaixonado

aos vossos pés!


Felina Paixão,

Ouças isto,

O Altíssimo Som

Da

Felina Paixão!


Altíssimos Leões

Rugem

Pela Nossa

Felina

Paixão!


Altíssimas Panteras

Rugem

Pela Nossa

Felina

Paixão!


Altíssimos Tigres

Rugem

Pela Nossa

Felina

Paixão!


Altíssimos Leopardos

Rugem

Pela Nossa

Felina

Paixão!


Altíssimos Lobos

Rugem

Pela Nossa

Felina

Paixão!


Os Altíssimos Animais

Do Kosmos

Rugem Pela Nossa

Felina

Paixão!


Descansemos juntos,

Bela Felina Mulher,

junto aos rios da floresta

que mais distante está

da urbana louca atmosfera,

encontremos um paraíso

recheado de verdes divinas

folhas de árvores sagradas,

pássaros amigos nossos

que cantem pelas horas todas

dos dias,

das noites

e das madrugadas,

um natural recanto

de felina estatura

que seja uma Grande Ode

à tua beleza,

felina

felina

felina

felina

felina

felina

felina

felina

felina,

Bela Felina Mulher!


Inominável Ser

DESCANSANDO

NA IDEAL

BELA FLORESTA

COM A SUA

IDEAL BELA

FELINA

MULHER








0 Românticos Aqui Se Revelaram:

Meus Treze Primeiros Romances

Meus Treze Primeiros Romances - Poema Treze - Dia Melancólico

00:00:00 Inominável Ser 4 Comments


Dia,

dia melancólico,

que tardio é

inóspito,

que tardio

é sempre,

digo neste dia

que sou o mais triste

dos homens.


Triste

que tristezas infinitas

se apoderam,

triste como

as gotas finas

do chuvisco,

triste como

a morte

de um ente querido.


Triste

que tristezas serenatas

são tocadas,

triste como

este belo dia

nublado,

nublado como

a minha

alma.


Dia,

dia que nunca

se acaba,

o mínimo que posso

fazer

é envolver-me nas

inacabáveis amarguradas

amarguras

amargas.


Amargura

que nem milhões

de lágrimas

apagam,

amargura amarga

que o Sol não

transpassa,

amargura, amargura,

que latejante pulsa.


Amargura

que risos e sorrisos

tornam

mais amarga,

amargura,

amarga,

já estou cansado

de azedar-me

nesta amargura.


Dia

que calado se arrasta

por horas, horas,

horas e horas

a sangrar

de todas as formas,

a morrer sempre,

agora,

todo dia, todo dia.


Dia,

como um caçador

sem caça

vivo a procurar

minha presa,

a minha presa que de

paixão, prazer e carinho

matarei com

beijos e abraços.


Fecho-me

inteiramente,

fecho-me

dolorosamente

de todo tipo de paixão,

para que o dia

e todos os dias

que eu viver

não me façam padecer.


O

meu fim é

calar-se sem amor,

o meu amor

é eterno como flor,

a minha flor

é bela como o céu,

O Céu é dia

que não possuo.


Dia

meu,

que melancólico é,

sofrerei até o fim,

suportarei até o amor,

rastejarei até à flor,

elevarei até

O Céu,

tombarei num dia de dor.


Segunda-feira, 09 de outubro de 1995






4 Românticos Aqui Se Revelaram: